IEE/USP tem cinco artigos premiados no XII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético

Cinco artigos escritos por alunos e professores do Instituto de Energia e Ambiente da USP (IEE/USP) foram premiados no XII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético, que aconteceu entre 9 e 11 de setembro, em plataforma digital. Organizado pela Sociedade Brasileira de Planejamento Energético (SBPE), o evento teve com tema “Segurança e Sustentabilidade no Futuro Energético”. Os 22 melhores artigos foram escolhidos de uma lista de 203 trabalhos submetidos, conforme avaliação do Comitê Científico do evento, e serão publicados na Revista Brasileira de Energia.

O IEE/USP foi a instituição com maior número de artigos selecionados para publicação, seguida da Universidade Técnica Federal do Paraná (UTFPR), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), com dois artigos cada.  

Do IEE/USP foram selecionados os seguintes trabalhos:

  • Injustiça Energética: definição conceitual, parâmetros e aplicabilidade no caso do Brasil (Vinícius Eduardo Ribas e André Felipe Simões);  
  • A regulação da geração distribuída no Brasil (Rodrigo Mota Rodi e Célio Bermann);
  • Fundamentos do Planejamento Energético Centralizado e do Descentralizado (Arthur Mendonça Quinhones Siqueira e Célio Bermann);
  • Os desafios regulatórios e políticos do primeiro projeto de terminal de GNL no Brasil, elaborado pela Comgás em 1972: considerações acerca do cancelamento da obra e lições de uma iniciativa pioneira (Karina Ninni Ramos, Hirdan Costa e Edmilson Moutinho dos Santos);
  • Renovabio: uma análise sobre o programa e sua influência sobre o mercado do biometano (Maxiane Cardoso e Hirdan Costa).

Todos os alunos premiados têm em comum o fato de serem “novatos” no evento, este ano realizado online devido à pandemia de Coronavírus. Vinícuis, Karina (doutorado) e Arthur (mestrado) são alunos regulares do IEE. Karina também faz parte da equipe do RCGILex, ligada ao projeto 21 do Fapesp Shell Research Centre for Gas Innovation (RCGI). Já Maxiane e Rodrigo são alunos especiais de diferentes disciplinas do PPGE (Programa de Pós-Graduação em Energia) e concorrem no próximo processo seletivo para o Mestrado.

“Eu nunca havia participado do evento e nem mesmo escrito um artigo para um congresso científico. Tive grande ajuda da professora Hirdan na redação. Sou graduada em administração e tenho anos no mercado de trabalho, além de duas pós latu sensu. Agora, decidi que é hora do mestrado”, diz Maxiane Cardoso.

Arthur Siqueira, aluno de mestrado, enviou dois trabalhos para o Congresso, frutos de diferentes disciplinas cursadas no IEE. “Nunca havia participado do CBPE e não conhecia o congresso antes de entrar no IEE.  É um evento muito interessante, que reúne bastante gente da área e proporciona uma troca muito rica. Foi uma pena que, desta vez, tenha acontecido à distância, o que limita a oportunidade de conhecer as pessoas.”

Para o doutorando Vinícius Ribas, apesar dos problemas decorrentes do formato, é louvável que a organização tenha mantido o evento, mesmo à distância. “Há prós e contras do modo à distância. Por um lado, houve pouca interação, poucas perguntas. Às vezes, havia certo delay na transmissão, e isso complica a dinâmica das perguntas. Por outro lado, em um congresso presencial, muitas pessoas não teriam conseguido viajar e apresentar seus trabalhos”, pondera.

Na opinião da professora Hirdan Costa, o fato de haver vários trabalhos do IEE/USP contemplados é fruto de esforços institucionais e pessoais. “O PPGE alcançou a qualificação de excelência CAPES, o que possibilitou a chegada de mais recursos para o desenvolvimento da atividade científica. Ressalto também a dedicação desses mestrandos e doutorandos que, assim como seus orientadores, não pouparam esforços diante de obstáculos da vida moderna, como a pandemia, por exemplo, e continuaram produzindo.”

Outras instituições premiadas foram o Instituto Federal do Paraná (IFPR), a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), a Fundação CPQD, a Escola Politécnica da USP, a Universidade Federal Fluminense (UFF), a Universidad Industrial de Santander (UIS), a Universidade Positivo, a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), a Universidade Federal da Bahia (UFBA), e a Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.